Página Inicial







Mundo: Projeto inter-religioso vai combater tráfico de seres humanos
18 de Março de 2014

Foi apresentado na segunda-feira, 17 de Março, no Vaticano um projeto inter-religioso de combate ao tráfico de seres humanos, a «Global Freedom Network» (Rede Global de Liberdade). Católicos, anglicanos e muçulmanos associam-se à iniciativa que visa “erradicar as formas modernas de escravidão e o tráfico de pessoas”, em colaboração com a Fundação Walk Free, criada com o objetivo de promover um “movimento global” pelo fim da “escravatura moderna”, adianta a sala de imprensa da Santa Sé.

 

O acordo é assinado, em nome do Papa, por monsenhor Marcelo Sanchez Sorondo, chanceler das academias pontifícias das Ciências e das Ciências Sociais. O projeto conta ainda com o apoio do arcebispo da Cantuária, líder da Igreja Anglicana, e do grande imã de Al-Azhar, no Cairo.

 

De acordo com os idealizadores, “30 milhões de pessoas estão condenadas à desumanização e degradação, vítimas de exploração física, económica e sexual”.

 

“Só ativando, em todo o mundo, os ideais da fé e os valores sociais é que será possível eliminar um mal que tem dedo humano mas que pode também ser combatido através do esforço humano”, realçam os signatários.

 

O Papa Francisco escreveu uma mensagem, no início deste mês, associando-se à campanha que os bispos do Brasil estão a promover durante a Quaresma, intitulada «Campanha Fraternidade», que visa alertar para o tráfico humano – principalmente durante o Mundial de Futebol 2014. “Há necessidade de um profundo exame de consciência: quantas vezes toleramos que um ser humano seja considerado uma mercadoria, exposto para vender ou para satisfazer desejos imorais?”, começava por questionar Francisco. “A pessoa humana não se deveria vender e comprar como uma mercadoria, quem a usa e explora, mesmo indirectamente, torna-se cúmplice desta prepotência”, acrescentou o Papa, numa das suas várias intervenções sobre este tema.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados