Página Inicial







Sudão/Sudão do Sul: Bispos sonham com paz entre as duas nações
15 de Maio de 2012

Os líderes católicos e anglicanos do Sudão do Sul prepararam uma mensagem sólida pedindo o fim da guerra e o restabelecimento da paz entre os dois Sudãos.

 

A mensagem com o título «Temos um sonho de Paz, Justiça e Liberdade» foi assinada por 15 bispos de ambas as comunhões depois de três dias de oração e reflexão em Yei na semana passada para fortalecerem os laços ecuménicos.

 

Durante a guerra, os líderes religiosos mantiveram uma comunhão estreita, mas nos primeiros anos da paz viraram-se para o interior das suas comunidades e agora querem relançar a colaboração ecuménica.

 

Os bispos escrevem que têm um sonho, uma visão e uma convicção baseados nos valores evangélicos sobre o papel profético da Igreja sobre a justiça, paz e dignidade de cada ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus.

 

O documento afirma que o sonho dos bispos católicos e episcopalianos para os povos do Sudão do Sul e do Sudão é que possam apreciar a democracia e liberdade e que todas as religiões, grupos étnicos, culturas e línguas tenham direitos humanos iguais baseados na cidadania.

 

Os bispos acrescentam que sonham com as duas nações em paz e cooperando para usarem da melhor maneira os recursos que Deus lhes deu, promovendo a interação livre entre os seus cidadãos, vivendo lado a lado em solidariedade respeito mútuo.

 

Os bispos dizem que acolheram a Resolução 2046 do Conselho de Segurança da ONU de 2 de Maio que trata compreensivamente dos muitos assuntos-chave entre os dois Sudãos, incluindo Abyei, exige que as fronteiras sejam marcadas e que criem uma zona desmilitarizada para prevenir mais escaramuças e a retomada de negociações.

 

A líder da Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul, Hilde Johnson, esteve com os bispos durante o encontro ecuménico para lhes pedir que transmitam aos seus rebanhos que as Nações Unidas não abandonaram nem atraiçoaram o país. A mensagem vem no seguimento de uma onda de indignação pela posição da ONU durante as últimas escaramuças fronteiriças. O Sudão do Sul acusa as Nações Unidas de favorecerem o Sudão e de não protegerem a população dos ataques da Força Aérea Sudanesa.

(José Vieira – Missionário Comboniano no Sudão do Sul)



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados