Página Inicial







Mensagem de Natal do Superior Geral dos Combonianos
18 de Dezembro de 2012

«Aqui estamos mais uma vez com a chegada do Natal, a festa que nos permite contemplar o Senhor Jesus e nele a humildade do missionário de Deus que vem entre nós para nos mostrar o seu grande amor», escreveu o Superior Geral dos Missionários Combonianos, P. Enrique Sánchez, em sua mensagem natalícia.

 

O Natal é comemorado nestes dias em muitos lugares e não será, para alguns, apenas uma oportunidade de fazer uma pausa e ter alguns dias de férias, para alguns, é hora de abrir presentes de ir às compras. Haverá aqueles que não podem comemorar por causa da crise ou porque estão em situações de guerra e violência. Haverá também os indiferentes, aqueles a quem o Natal não significa nada, e muitos que não irão comemorar, porque eles não sabem que existe um Deus que habita no meio de nós.

 

Apesar disso, o Senhor não perderá a sua homenagem e nos surpreenderá mais uma vez com a delicadeza, simplicidade, respeito, discrição e com o amor que vem para o nosso mundo e para cada um de nós a pedir um espaço em nossos corações e em nossas vidas, em nossos pensamentos e em nossas ações, onde pode estabelecer sua morada.

 

Neste sentido, a festa de Natal nos desafia a despertar em nós uma atitude de contemplação, viver em silêncio, ouvindo e recebendo a Palavra de Deus, que quer tornar-se ainda hoje, para o nosso mundo, presença e compromisso com Deus, depósito da verdadeira felicidade e resposta para a busca do sentido da nossa existência humana.

 

O presépio, como um ícone que nos permite ver o Deus invisível, nada mais é do que a porta de entrada para o imenso mistério de Deus, que quer ser conhecido, que quer mostrar o rosto, sem vontade de permanecer anónimo e quer compartilhar nossa história, oferecendo sua eternidade e tornando-se tão próximo para caminhar connosco em nossas vidas diárias.

 

Mas como comemorar, quando no mundo de hoje existem milhões de pessoas que não conhecem a Boa Nova? Como comemorar quando vemos à nossa volta tanta injustiça e tanta violência? Como festa, quando testemunhamos tanta pobreza e miséria, tanto desprezo para com a vida e os valores que poderiam dar-nos a oportunidade de viver como seres humanos e com a devida dignidade?

 

Para nós, missionários, essas e muitas outras perguntas deixam claro que é necessário e urgente viver a nossa consagração como testemunhas autênticas e credíveis do Senhor que encontramos não só em nós, mas que aceitamos como o único proprietário e mestre de nossas vidas.

 

Nós somos os primeiros a serem chamados para correr pelas ruas para proclamar que Deus decidiu compartilhar sua vida com a gente, e isso significa que somos convidados a sair de nós mesmos, a questionar nossas certezas, repensar a nossa forma de vida, para assumir a radicalidade do Evangelho como regra de vida.

 

Trata-se de abrir uma porta para o Senhor em nossas vidas, de modo que parece claro que é ele quem ocupa o nosso coração e tudo o que somos e o que fazemos.

 

Nós, missionários, somos convidados a mostrar à humanidade que Deus se tornou um missionário para atender a todas as pessoas e, em particular, os mais pobres e abandonados.

 

De nós se espera que continuemos a ser as sentinelas da noite a trazer a luz da esperança, o calor da Justiça e da centelha de amor que ajuda os nossos contemporâneos a descobrir as razões para acreditar e razões para descobrir que Deus não nunca foi embora e não pede nada mais do que uma pequena oportunidade para nos mostrar que ele está escondido na nossa felicidade.

 

Queridos irmãos, vamos festejar, celebremos o Natal como o primeiro que aconteceu há dois mil anos atrás, e graças a Deus pelo dom do seu Filho, que neste acto de generosidade tornou-se na origem da nossa vocação e nosso ministério.

 

Celebramos com alegria o dia em que Deus decidiu tornar-se um missionário para nos conhecer e pedir a graça de poder corresponder, oferecendo nossas vidas para que a Palavra, carne feita no corpo do Senhor, possa ser reconhecida, aceita e comemorada por muitos irmãos e irmãs que ainda não receberam a boa notícia: Deus se tornou um de nós.

 

«Desejo a todos, em nome do Conselho Geral, um santo Natal e rezo por todos vocês. Eu também pedirei bênçãos para suas comunidades e suas missões», diz a mensagem.

 

Leia aqui o texto na íntegra (em italiano).



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados