Página Inicial







R. Centro-Africana: País enfrenta medo de um conflito religioso
17 de Setembro de 2013

Após os sangrentos acontecimentos no Nordeste e mais precisamente em Bossangoa e Bouca, a ONG humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) anunciou que existe um grande número de feridos nestas localidades e que estes afirmam terem sido atacados devido à sua pertença religiosa. Os homens armados afirmavam-se como sendo da etnia de Bozizé, os quais haviam atacado os postos da Séléka presentes nestas zonas e que tinham sido tomadas pelos muçulmanos.

 

Em represália, os elementos da Séléka vingaram-se contra a população cristã. Agora, mesmo tendo as tensões abrandado, as ONG humanitárias receiam a propagação deste conflito. «A situação nestas duas cidades é muito tensa. Em Bouca houve um violento confronto entre estes dois grupos e muitos foram os que abandonaram estas localidades deixando-as praticamente vazias. Os MSF preocupam-se muito com a dimensão religiosa que este conflito pode adquirir uma vez que nós tratamos muitos feridos de guerra», afirmou Ellen Van Der Velden, Chefe de missão dos MSF-Holanda na República Centro-Africana.

 

Actualmente, «muitas pessoas são feridas violentamente. Nós demo-nos conta que estes foram escolhidos devido à sua pertença religiosa e é esta dimensão religiosa que nos preocupa enormemente.

 

Até mesmo as autoridades de transição reconhecem a dimensão que este conflito pode tomar se nada for feito. O Primeiro Ministro Centro-Africano Nicolas Tiangaye assegurou que o governo fará tudo para evitar este conflito: «a República Centro Africana é um Estado laico e cada centro-africano tem um parente que é muçulmano», declarou o chefe do governo de transição. Contudo, a população permanece inquieta uma vez que, mesmo próximo de Bangui, já se ouvem os rumores deste conflito.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados