Página Inicial







Mundo: Deslocamento forçado é o maior em 18 anos
20 de Junho de 2013

Relatório global do «Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados» (Acnur) lançado ontem, 19 de Junho, revela número recorde de pessoas refugiadas ou deslocadas internas no mundo desde 1994, ressaltando que a crise na Síria é o novo grande fator de deslocamento global.

 

Assinala-se nesta quinta-feira, 20 de Junho, o «Dia Mundial do Refugiado».

 

O relatório anual «Tendências Globais» engloba os deslocamentos que ocorreram em 2012, com base em dados de governos, ONGs parceiras e relatórios do Acnur. O documento mostra que, no final de 2012, mais de 45,1 milhões de pessoas estavam em situação de deslocamento - em comparação aos 42,5 milhões no final de 2011. Essas estatísticas incluem 15,4 milhões de refugiados, 937 mil solicitantes de asilo e 28,8 milhões de pessoas forçadas a fugir dentro das fronteiras de seus próprios países.

 

A guerra permanece a causa dominante do deslocamento forçado. 55 por cento dos refugiados vêm de apenas cinco países, todos afetados pela guerra: Afeganistão, Somália, Iraque, Síria e Sudão. O relatório traz ainda gráficos sobre deslocamentos vindos do Mali, na República Democrática do Congo e do Sudão para o Sudão do Sul e Etiópia.

 

«São números verdadeiramente alarmantes. Eles refletem o sofrimento individual em grande escala, e também as dificuldades da comunidade internacional em prevenir esses conflitos e em promover soluções duradouras para eles», disse o chefe do Acnur e Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres.

 

O relatório destaca tendências preocupantes em diversas áreas, entre elas a taxa de deslocamento atual. Em 2012, cerca de 7,6 milhões de pessoas foram forçosamente deslocadas, 1,1 milhões delas como refugiadas e 6,5 milhões como deslocados internos. Isto significa um novo refugiado ou deslocado interno a cada 4,1 segundos.

 

Evidencia-se também a lacuna contínua entre os países mais ricos e os mais pobres quando se trata de quem está acolhendo refugiados. Dos 10,5 milhões de refugiados sob o mandato do Acnur, metade reside em países com PIB per capita é inferior a US$ 5.000 – outros dos 4,9 milhões de refugiados palestinos estão sob o mandato da Unrwa, uma agência da ONU que cuida apenas dessas populações no Oriente Médio. Ao todo, os países em desenvolvimento hospedam 81 por cento dos refugiados comparados aos 70 por cento de uma década atrás.

 

Crianças menores de 18 representam 46 por cento de todos os refugiados do mundo. Além disso, em 2012, um número recorde de 21.300 solicitações de refúgio foi apresentado por crianças desacompanhadas ou separadas de seus pais. Esse é o maior número já registrado pelo Acnur em toda sua história.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados