Página Inicial







Sudão do Sul: Refugiados
17 de Junho de 2013

Yida, na parte norte do estado sul-sudanês de Unity, acolhe refugiados dos Montes Nubas, no estado sudanês do Cordofão do Sul, desde Agosto de 2011, depois de a guerra ter começado naquela região a 5 de Junho de 2011. Desde então, as tropas do Governo têm bombardeado sistematicamente alvos civis, incluindo aldeias, mercados, áreas agrícolas e rebanhos. Hoje o campo tem uma população de mais de 70 mil.

 

Visto do céu, o campo é uma coleção de pequenos pontos brancos e azuis espalhados por uma área de 38 quilómetros quadrados por entre esparsas árvores que restam do que era uma floresta espessa. As casas são feitas de paus e erva seca e coberta com plásticos fornecidos por agências humanitárias como a Samaritan´s Purse e as Nações Unidas. Algumas casas são de blocos de barro secos ao sol.

 

O campo é um espaço aberto, sem arame farpado. As crianças estão bem nutridas e limpas e são muito simpáticas. Há 20 mil em idade escolar que frequentam oito escolas primárias e uma secundária feitas de paus, palha e plásticos. Os da pré-primária contentam-se com a sombra de uma árvore. Um dos dez professores quenianos que ensinam os 270 alunos do décimo ano – a escola abriu em Janeiro – disse-me que os Nubas levam a educação muito a sério apesar da precariedade em que vivem.

 

Tanto o Governo do Sudão do Sul como o ACNUR, a agência para refugiados da ONU, querem mudar o campo para Ajuong, mais para sudeste. Razão? Yida está demasiado perto da fronteira – a um dia de caminhada – e não oferece segurança. Depois, Yida é ponto de passagem para as forças do SPLA-North que combatem o Governo de Cartum, e que recrutam entre a população jovem dos refugiados.

 

O Governo ordenou ao ACNUR para parar de registar novos refugiados a partir de 4 de Abril para forçar as pessoas a irem para Ajuong. Mas os refugiados vão ficando por Yida mesmo que não possam receber comida e outras ajudas porque não estão registados. Um agente humanitário disse-me que já há 3000 pessoas a viver da comida que recebem de familiares e amigos. Casos de malnutrição começam a aparecer. A falta de comida pode vir a trazer violência e banditismo ao campo! Toda a gente sabe onde a comida está guardada e os famintos podem ser tentados a saquear as mais de 30 tendas gigantes com comida para 100 mil pessoas até final de Dezembro.

 

O campo também precisa de mais 500 latrinas para reforçar a saúde pública durante a estação da chuva, que já começou. As cerca de 2000 latrinas contraídas não chegam para as necessidades e a diarreia e a hepatite E são recorrentes durante as chuvas por falta de condições sanitárias.

 

Ajuong – que abriu em Março – tem cerca de 1,200 residentes, a maioria rapazes dos 18 aos 20 e poucos que são pagos para cavar latrinas e preparar outras estruturas no novo campo. Os residentes de Yida não querem nem ouvir falar da mudança: dizem que lhes custou muito trabalho chegar a um acordo sobre a partilha de água, lenha e outros recursos naturais com a comunidade local e não querem ser guardados pelos soldados sulistas que têm fama - e proveito - de más maneiras.

 

José Vieira – Missionário Comboniano no Sudão do Sul



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados