Página Inicial







Vaticano: Santa Sé pede «diálogo intercultural» e recorda exemplo de Malala
20 de Dezembro de 2013

O Vaticano divulgou na quinta-feira, 19 de Dezembro, o documento ‘Educar para o diálogo intercultural na Escola Católica. Viver juntos para uma civilização do amor’, da Congregação para a Educação Católica (CEC), organismo da Santa Sé.

 

O prefeito da CEC, cardeal Zenon Grocholewski, disse aos jornalistas que “a palavra-chave que liga em conjunto todos os aspetos abordados no documento é ‘diálogo’”, em resposta às indicações dadas pelo Papa Francisco.

 

O cardeal polaco evocou os “sofrimentos” das 70 milhões de crianças que segundo dados da UNICEF (2013) não vão à escola e citou, a esse respeito, a jovem paquistanesa Malala, alvo de um ataque dos talibãs em 9 de outubro de 2012, quando voltava a casa num autocarro escolar.

 

“Uma criança, um professor, um livro, uma caneta podem mudar o mundo. A educação é a única solução”, disse a vencedora do prémio Sakharov 2013, concedido pelo parlamento Europeu.

 

O prefeito da CEC afirmou que o direito de “todas as crianças a uma instrução justa” é “demasiadas vezes descurado quando se trata de meninas”, falando em fatores “muito preocupantes” que ameaçam a educação.

 

Durante a conferência de imprensa foram apresentados os dados relativos ao número de alunos nas escolas católicos a nível mundial, entre 2008 e 2011, registando um aumento de quase 3 milhões (5 por cento) de estudantes.

 

No total, 209 670 escolas católicas nos cinco continentes acolhiam 57,6 milhões de alunos em finais de 2011, com crescimento na Ásia, África e Oceânia e diminuição na Europa (de 8,64 milhões para 8,46) e América.

 

Segundo o cardeal Grocholewski, o “fenómeno das migrações globalizou a realidade do multiculturalismo e da multirreligiosidade, com a consequente necessidade de uma adequada educação intercultural”.

 

“Em tal contexto, a escola católica é chamada a fornecer às jovens gerações os elementos necessários para desenvolver uma visão intercultural do viver em conjunto”, precisou.

 

O novo documento quer ser “um meio de diálogo e de reflexão” para todos os que se preocupam com a educação, “para a construção de uma sociedade mais pacífica e solidária”.

 

“O objetivo final da educação para o diálogo intercultura, como afirma o subtítulo, é a construção de uma civilização do amor. A civilização do amor para os cristão não é uma solidariedade vaga, mas exprime a caridade de Cristo”, precisou D. Zenon Grocholewski.

 

As informações são da «Agência Ecclesia».



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados