Página Inicial







Vaticano: A importância do Batismo e da Confissão
13 de Novembro de 2013

O Papa Francisco destacou hoje, quarta-feira, 13 de Novembro, no Vaticano a importância do Batismo e da Confissão para a vida de cada crente, pedindo que os católicos recordem data do seu “nascimento” para a Igreja.

 

«É o ato de nascimento de nascimento da Igreja. Todos vós sabeis o dia em que nascestes, nãos é verdade? Festejais o aniversário, todos, todos nós, mas deixo uma pergunta, que já fiz uma vez, mas faço-a de novo: quem entre vós se lembra da data do seu Batismo?”, questionou.

 

O Batismo, explicou o Pontífice, é a “porta” da fé e da vida cristã. Quando dizemos que “professo um só Batismo para a remissão dos pecados”, afirmamos que este sacramento é, em certo sentido, a carteira de identidade do cristão: um novo nascimento, o ponto de partida de um caminho de conversão, que se estende por toda a vida.

 

O Papa então nos convidou a refletir: “o Batismo é para mim um fato do passado, ao qual jamais penso, ou uma realidade viva, que diz respeito ao meu presente, em cada momento? O dia do nosso aniversário é o nosso dia à vida; e o dia do nosso Batismo é o dia que nascemos para a Igreja”, disse o Papa, dando a “lição de casa” aos fiéis de se informarem a data em que foram batizados.

 

Este novo nascimento se dá através de uma verdadeira imersão espiritual na morte de Cristo – batismo significa imersão –, para que possamos ressuscitar com Ele para uma vida nova.

 

Assim, o Batismo representa uma poderosa intervenção da misericórdia divina na nossa vida, que nos garante o perdão de todos os pecados: do pecado original e de todos os pecados pessoais. “Todavia, esta intervenção divina não nos exime da responsabilidade de pedir perdão toda vez que erramos!”

 

A fragilidade da nossa natureza humana permanece, prosseguiu o Papa, por isso é preciso humildemente renovar e consolidar este perdão, por meio do sacramento da Penitência.

 

Eu não posso me batizar duas, três, quatro vezes, mas posso me confessar; e quando me confesso, renovo a graça do Batismo. É como se fizesse um segundo Batismo. O Senhor Jesus é tão bom que jamais me cansa de perdoar. O Batismo nos abre a porta à Igreja e quando esta porta se fecha devido às nossas fraquezas, pecados, a Confissão a reabre, porque nos ilumina para prosseguir com a luz do Senhor. Prossigamos com alegria, porque a vida deve ser vivida com a alegria de Jesus Cristo e esta é uma graça do Senhor.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados