Página Inicial







Portugal: Igreja Católica reúne responsáveis pelo acolhimento de imigrantes
28 de Junho de 2012

A «Obra Católica Portuguesa das Migrações» (OCPM) organiza na segunda-feira, 2 de Julho, perto de Lisboa, um encontro com dezenas de padres e leigos que acolhem a diáspora lusa e os imigrantes que chegam ao território nacional.

 

O programa, publicado no site do OCPM, prevê intervenções de responsáveis que trabalham em França, Alemanha, Suíça, Luxemburgo e Alemanha, bem como nas dioceses de Lisboa, Porto, Aveiro, Braga, Viseu, Vila Real, Portalegre-Castelo Branco, Viana do Castelo, Leiria-Fátima, Beja, Évora, Santarém, Bragança e Guarda.

 

A iniciativa, que decorre até 6 de julho em Alfragide, contempla ainda a participação de clero da Capelania Nacional de Imigrantes Ucranianos de Rito Bizantino e da Igreja Greco-Católica da Ucrânia.

 

Os 50 anos da OCPM, que se assinalam em 2012, envolveram «milhares e milhares de homens, mulheres, sacerdotes e leigos empenhados», observa o diretor da Obra ao programa «Ecclesia» na Antena 1.

 

Na emissão que vai para o ar esta sexta-feira, a partir das 22h45, o frei Francisco Sales realça que a ação da Igreja Católica contribuiu para que os portugueses mantivessem a fé e ajudou a «preservar a identidade e cultura lusas».

 

A OCPM quer extrair do seu passado a melhor estratégia para acompanhar, «com novos métodos», a emigração portuguesa, dado que «os tempos, as necessidades e até as formas de viver a fé são outras», e por isso escolheu para tema do encontro a formulação «Celebrar a Memória para Projetar o Futuro», explicou o frei Sales.

 

Mais de 70 mil portugueses estão a emigrar anualmente, segundo um relatório divulgado pela OCDE, onde se refere que a maioria tem menos de 29 anos.

 

Portugal surge no estudo ao lado da Grécia, Irlanda, Itália e Espanha, onde se esperava o aumento da emigração devido ao agravamento da situação económica e o desemprego, fatores que também terão causado a diminuição do número de imigrantes.

 

«A maioria dos países para onde os portugueses emigram são completamente secularizados, onde a prática cristã é quase nula. É um grande desafio para nós», observou o frei Francisco Sales.

 

Informações da «Agência Ecclesia».



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados