Página Inicial







R. Centro-Africana: Antigo Primeiro-ministro refugia-se no Chade
14 de Março de 2013

O antigo Primeiro-ministro centro-africano, Jean-Jacques Demafouth, chegou na manhã de quarta-feira, 13 de Março, ao Chade, onde «solicitou protecção» as autoridades, após ter-se escapado, segundo ele, de uma detenção na sequência das acusações de ajuda à rebelião do Séléka, cujos elementos ainda estão em guerra contra Bangui.

 

«Várias fontes em Bangui indicaram-me que seria detido no meu regresso a capital. Antes de partir, tive um contacto telefónico com o ministro da Administração do Território que me acusou de ajudar os rebeldes do Séléka, com o apoio do Chade», referiu Demafouth.

 

De acordo com o Bispo de Bangassou «o objetivo dos rebeldes é derrubar o atual governo e impor um regime de matriz islâmica».

 

Dom Juan José Aguirre Muños, um missionário comboniano, afirma que «80 a 90 por cento do país está em mãos de Séléka (5 a 6 grupos de guerrilha reunidos sob esta sigla)».

 

«São formados em maioria por jihaidistas que falam árabe e que depois de conquistar outras áreas do país, estão invadindo também o leste, onde mataram e violentaram civis, saquearam casas e missões cristãs, mas não as mesquitas. Nas cidades conquistadas, destruíram os cadastros municipais (com certidões de nascimento) e dos tribunais, ação cujo objetivo é destruir a memória histórica das populações locais», disse Dom Aguirre Muños.

 

No entanto, o bispo conseguiu contactar com a missão de Rafai, que se encontra a 150 km de Bangassou e soube que os rebeldes não entraram na missão, mas conseguiram roubar o carro do padre missionário.

 

«Graças a Deus, os rebeldes não prosseguiram para a cidade de Rafai e nem foram além dela, rumo a Zemio e Obo. Nesta última localidade, os homens de Séléka teriam encontrado militares centro-africanos e principalmente soldados ugandeses e americanos, além de rebeldes do LRA. Assim, no final, os rebeldes retornaram a Bangassou, de onde até agora não conseguimos ter notícias sobre a situação», conclui o bispo.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados