Página Inicial







Vaticano: Papa alertou para «trabalho que escraviza»
2 de Maio de 2013

Durante a celebração do 1º de Maio, no Vaticano, Francisco lançou um alerta sobre o «trabalho escravo» no mundo e pediu um novo «ímpeto» dos responsáveis políticos para a criação de emprego.

 

«Uma situação particular de trabalho que me preocupa é aquilo que poderíamos definir como ‘trabalho escravo’, o trabalho que escraviza», disse o Papa na audiência pública semanal, que na quarta-feira coincidiu com o dia em que a Igreja evoca os trabalhadores sob a intercessão de São José, operário.

 

«Quantas pessoas, em todo o mundo, são vítimas deste tipo de escravidão, na qual é a pessoa que serve o trabalho, quando deve ser o trabalho a servir a pessoa? Deve ser o trabalho a oferecer um serviço às pessoas para que tenham dignidade», defendeu.

 

O Papa pediu aos cristãos e a todos os «homens e mulheres de boa vontade» que sejam determinados na luta «contra o tráfico de pessoas, no seio da qual figura o “trabalho escravo”».

 

A catequese semanal aludiu também às dificuldades que se vivem no mundo do trabalho e nas empresas. «Penso em todos, e não apenas nos jovens, que estão desempregados, muitas vezes, consequência de uma concepção economicista da sociedade que privilegia o lucro egoísta em detrimento da justiça social».

 

«Desejo dirigir a todos um convite à solidariedade e aos responsáveis da coisa pública um encorajamento a fazer todos os esforços possíveis para dar um novo ímpeto à criação de emprego: isso significa preocupar-se com a dignidade da pessoa, mas sobretudo não perder a esperança», declarou.

 

A festa litúrgica de São José operário foi instituída pelo Papa Pio XII em 1955 como forma de associar os católicos à celebração mundial do Dia do Trabalhador. «O trabalho é um elemento fundamental para a dignidade de uma pessoa», disse Francisco.

 

O Papa pediu aos jovens presentes na Praça de São Pedro, entre dezenas de milhares de pessoas, que se comprometam no seu «dever quotidiano, no estudo, no trabalho, nas relações de amizade, na ajuda aos outros».

 

Francisco recordou ainda que o mês de Maio é particularmente dedicado na Igreja Católica à Virgem Maria e destacou a «importância e a beleza da oração do santo rosário». «A oração feita em conjunto é um momento precioso para tornar ainda mais firme a vida familiar, a amizade», realçou.

 

Com informações da «Rádio Renascença».



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados