Página Inicial







Mundo: Diga não ao desperdício de alimentos
1 de Março de 2013

A campanha da ONU contra o desperdício de alimentos, «Pensar. Comer. Preservar. Diga não ao desperdício» é especialmente dirigida aos consumidores, comerciantes e aos diversos atores das indústrias alimentar e hoteleira.

 

De acordo com a «Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura» (FAO), 95 por cento da perda de alimentos nos países em desenvolvimento ocorre nos estágios iniciais da produção, principalmente por conta das limitações financeiras e técnicas. Dificuldades de armazenamento, infraestrutura e transporte também contribuem para esta perda.

 

Já nos países desenvolvidos, o desperdício é mais significativo no fim da cadeia de produção. Nos mercados e pontos de venda, grandes quantidades de comida vão para o lixo por estarem fora dos padrões de aparência devido a práticas ineficientes e pelo termo das datas consideradas adequadas para consumo. Por parte dos consumidores, o desperdício verifica-se na aquisição de mais do que pode ser consumido e no preparo de grandes quantidades de comida.

 

«Num mundo com uma população de 7 mil milhões de pessoas, que deve chegar a 9 mil milhões até 2050, o desperdício de alimento não faz sentido, seja do ponto de vista económico, ambiental ou ético», afirma o Diretor Executivo do «Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente» (PNUMA), Achim Steiner, no comunicado de imprensa de lançamento da campanha.

 

«Além da perda de produção, são desperdiçados também recursos como água, terras cultiváveis, insumos agrícolas e tempo de trabalho. Para termos uma vida verdadeiramente sustentável, precisamos de transformar a maneira como produzimos os nossos alimentos», pode ler-se no comunicado.

 

Na Europa, América do Norte e Oceânia o desperdício per capita (pode cada indivíduo) de alimento varia de 95Kg a 115Kg por ano, enquanto na África Subsaariana e Sudeste Asiático são deitados fora entre 6 e 11Kg anualmente.

 

Para que a campanha atinja todo o seu potencial, é fundamental que diferentes públicos de interesse estejam envolvidos – famílias, supermercados, cadeias hoteleiras, escolas, clubes, CEOs e líderes nacionais e mundiais.

 

O site da campanha oferece dicas simples, bem como uma plataforma para troca de informações, incentivando uma cultura global de consumo sustentável.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados