Página Inicial







Erradicar a Pobreza: Um caminho para sociedades pacíficas
17 de Outubro de 2018

Celebra-se nesta quarta-feira, 17 de outubro, o Dia Internacional pela Erradicação da Pobreza 2018 sob o tema «Um caminho para sociedades pacíficas e inclusivas».

 

A erradicação da pobreza e da fome é um dos oito objetivos de desenvolvimento do milénio, compromisso assinado por 193 países membros das Nações Unidas e por várias organizações internacionais.

 

No mundo, mais de 700 milhões de pessoas não conseguem suprir suas necessidades diárias básicas. No entanto, de acordo com as Nações Unidas, mais de mil milhões de pessoas saíram da pobreza nos últimos 25 anos.

 

Neste dia se dá voz aos pobres e se unem esforços para acabar com a pobreza.

 

Ao assinalar esta data a Cáritas olha de forma particular para os jovens, seguindo o exemplo do Papa Francisco que dedica o Sínodo dos Bispos, a decorrer em Roma, também à juventude e à sua forma de entender e participar no mundo.

 

A Cáritas Portuguesa, em conjunto com a Cáritas Europa, lançou o relatório “Os jovens na Europa precisam de um futuro” que apontou particularmente o facto de as políticas portuguesas adotadas nos últimos 10 anos não terem conseguido a quebra de ciclos de pobreza geracional. Com um desemprego juvenil de 23,8% (7% superior à média da UE) e um abandono escolar de 12,6% (2% acima da média da UE), um número significativo de jovens portugueses sente que não tem futuro.

 

Neste contexto, a Cáritas cita os principais desafios de Portugal em relação à pobreza e à exclusão social dos jovens:

 

- Trabalho digno: As oportunidades de emprego e os níveis salariais diminuíram acentuadamente desde a crise financeira de 2008. Portugal regista ainda um elevado índice de desemprego jovem, muitos deles emigram e as habilitações de nível superior não estão a ser valorizadas pelo mercado de trabalho.

- Emprego precário: Embora a Garantia Jovem e medidas similares estejam a gerar algumas oportunidades, não estão a ser criados empregos de qualidade. Muitos jovens estão retidos em programas de estágio sem qualquer proteção social.

- Custo elevado da educação: As despesas com educação estão relacionadas com a transmissão integral da pobreza. As famílias de baixos rendimentos não conseguem suportar as despesas relativas aos estudos dos seus filhos.

- Habitação a preços acessíveis: Adquirir uma habitação própria é muito difícil para a maioria dos jovens devido aos empregos precários e a um mercado de habitação a preços muito elevados. Um sentimento comum de insegurança em relação ao futuro que impede o seu compromisso com o arrendamento ou a aquisição de habitação.

 

Veja também a iniciativa «Impossible», que desenvolve atividades em Lisboa relacionadas com a celebração do Dia Internacional pela a Erradicação da Pobreza.

 

 



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados