Página Inicial







Sudão do Sul: Ana Taban, Estou Cansado
19 de Setembro de 2017

Colectivo sul-sudanês usa as artes para promover paz e liberdade de expressão.

 

Há cerca de um ano, um grupo de artistas do Sudão do Sul juntou-se para criar uma plataforma activista pela paz na sequência dos combates de Julho de 2016 em Juba que fizeram um número indeterminado de mortos. Decidiram chamar-se Ana Taban («Estou Cansado», em árabe).

 

Músicos, actores, comediantes, guionistas, criadores de moda, artistas plásticos formaram o Ana Taban para terem uma influência positiva na nação em guerra consigo própria desde Dezembro de 2013.

 

Estão cansados da guerra e do sofrimento; de verem de braços cruzados o país a arder; de viverem num país rico em recursos naturais com uma economia em colapso; de formarem uma diversidade cultural linda destruída pelo tribalismo; de verem um povo faminto numa terra fértil; de serem usados para se matarem uns aos outros para benefício de alguns.

 

Ana Taban propõe-se promover os valores da paz, coragem, integridade, cidadania, não-violência e não-alinhamento político através de acções concretas no país e nos campos de refugiados que albergam um milhão de sul-sudaneses nos países vizinhos.

 

Os jovens activistas escrevem no seu manifesto que «querem ser uma plataforma para a juventude do Sudão do Sul contribuir com as próprias ideias em matérias importantes que afectam a nação». Fazem-no através de concertos, arte urbana, murais, dramas, vídeos, canções, Internet…

 

Querem também encorajar a juventude «a participar activamente em temas importantes a respeito da nação e recusar serem usados como instrumentos de guerra e destruição».

 

Finalmente, pretendem «empoderar a juventude do Sudão do Sul, equipando os jovens com talentos para serem poderosos influenciadores da paz através do poder da sua arte e dos dons que Deus lhes deu».

 

Um programa vasto que pretende virar o sentido da história no Sudão do Sul. O país mais jovem do mundo tem vivido num caldo de violência e guerra desde o século XIX, quando turcos e árabes atacavam as comunidades sulistas ao longo do Nilo Branco para fazerem escravos. Entre 1955 e 2017, passou quarenta e três anos a lutar contra o Governo arabizante do Norte e contra si próprio e menos de duas décadas em paz.

 

«O sofrimento continua a cobrir o nosso amado país com o sangue, as lágrimas e a fome dos inocentes. Até quando?», pergunta o colectivo na sua página no Twitter.

 

Jacob Bul Bior, actor e porta-voz do colectivo, explicou-me numa mensagem electrónica que o impacto maior de Ana Taban está no alargamento do espaço cívico para os jovens se expressarem. «Havia tanto medo no ano passado e agora vemos melhorias; temos mais e mais jovens a participarem nos nossos eventos e a falarem livremente sobre aquilo que é importante para eles. Com os limites à liberdade de expressão e de informação no país, sentimos que isto é importante e levou a uma mudança maior», escreveu.

 

É o que auguro: os Sul-Sudaneses precisam de paz e de reconciliação para se erguerem das cinzas da guerra fratricida e construírem a nação vibrante com que sonharam a 9 de Julho de 2011 quando celebraram a independência com tanta esperança.

 

José da Silva Vieira (MCCJ) – Jirenna

 

 

 

(José da Silva Vieira)



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados