Página Inicial







Mundo: Caritas pede mudança definitiva no modelo econômico global
2 de Dezembro de 2014

Teve início na segunda-feira, 1 de Dezembro, em Lima, no Peru, a Conferência COP20 das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas.

 

Até o dia 12 de dezembro, delegações de 195 países esperam traçar as linhas principais de um acordo multilateral em 2015, para limitar o aquecimento do planeta a 2º C. A temperatura média da Terra já subiu 0,8º C com relação à era pré-industrial.

 

Representando 180 organizações católicas de assistência humanitária e desenvolvimento, a Caritas Internacional e a CIDSE exigem uma mudança definitiva no modelo econômico global.

 

“Cada um de nós tem um papel a desempenhar na luta contra a mudança climática, assim como na adoção de opções que reduzam as emissões de gazes de efeito estufa. E isso será em benefício de todas as pessoas e pela sobrevivência das gerações futuras. Combater a mudança climática é uma obrigação vinculada aos direitos humanos, para garantir que os pobres, que são os mais vulneráveis, tenham acesso à alimentação, à educação e aos cuidados de saúde”, declarou o Secretário-Geral da CIDSE, Bernd Nilles.

 

Já o Secretário-Geral da Caritas Internacional, Michel Roy, afirma que as comunidades de algumas regiões do planeta vivem “sob o fio da navalha”, na incerteza de alimentos suficientes e de moradia segura diante de secas ou inundações. “Não podemos continuar esperando, enquanto as pessoas mais pobres e vulneráveis do nosso planeta sofrem a carga mais pesada da mudança climática”, declara Michel Roy.

 

Caritas e CIDSE asseguram que, para reduzir drasticamente as emissões de carbono e manter no nível de 2°C em todo o mundo, é necessário um compromisso a largo prazo a fim de deter o avanço da mudança climática.

 

A um ano da COP de Paris, onde se espera finalizar um acordo para entrar em vigor em 2020, Lima deve definir as linhas principais, como por exemplo a adaptação dos países mais vulneráveis, o financiamento das economias para conseguir a eliminação do carbono e as transferências de tecnologias.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados