Página Inicial







Quénia: Bispos pedem fim da violência
8 de Setembro de 2014

"A insegurança contínua e os atos violentos são totalmente inaceitáveis. Quantas vidas deverão ainda se perder para que como quenianos digamos basta?" afirma a Comissão Episcopal "Justiça e Paz" do Quénia num apelo para que tenha fim a violência entre as comunidades nos municípios no nordeste do país.

 

Os bispos dizem que estão "extremamente preocupados" com o número contínuo do rearmar-se de várias milícias, a radicalização dos jovens e a explosão de conflitos "que provocam homicídios em massa, a fuga da população e a destruição de propriedades em diversos municípios".

 

Até mesmo a Cruz Vermelha do Quénia denunciou a grave situação no nordeste. "Existem várias milícias, existem homens treinados e armados até os dentes que às vezes vestem uniformes, e podem fazer o que quiserem sem obstáculos”, disse o Secretário-Geral da Cruz Vermelha.

 

Segundo a organização humanitária, em 28 de agosto de 2014, 18 mil famílias foram desalojadas e vivem em sete dos locais de acolhimento no condado de Mandera. Cerca de 77 pessoas morreram e mais de 95 ficaram feridas em janeiro por causa do conflito entre os dois principais clãs de Mandera. Além disso, várias casas foram incendiadas.

 

Além de Mandera, o conflito entre as comunidades afetou outros municípios do norte como Wajir, Garissa e Marsabit, onde 95 pessoas morreram em confrontos ocorridos de janeiro a junho de 2014.

 

Durante o mesmo período, pelo menos 125 pessoas morreram em todo o país, dezenas foram feridas e 215.479 foram arrancadas de suas casas, muitas delas no nordeste, segundo a Cruz Vermelha local e o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

 

Comunidade e clã no nordeste do Quênia lutam há anos pelo controle de pastos e água para o gado. Os conflitos mais recentes são atribuídos a controvérsias sobre a repartição de empregos e recursos para os 47 novos municípios criados pela Constituição de 2010 que entraram em funcionamento após as eleições em 2013.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados