Página Inicial







Mundo: Mais de 30 por cento das mulheres são vítimas de violência do parceiro
25 de Novembro de 2014

Celebra-se nesta terça-feira, 25 de Novembro, o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que uma em cada três mulheres no mundo é vítima de violência física ou sexual cometida pelo seu parceiro, marido ou namorado.

 

O dado consta do estudo publicado na revista especializada The Lancet e que foi preparado em conjunto por especialistas da OMS, da Escola de Higiene e de Medicina Tropical de Londres e da Universidade George Washington, nos Estados Unidos.

 

O documento diz ainda que 7 por cento das mulheres vão sofrer violência sexual em algum momento de suas vidas. Os esforços atuais para evitar a violência contra mulheres e meninas são inadequados.

 

As especialistas afirmaram que apesar do aumento da atenção global para o problema e os recentes avanços sobre como atacar esses abusos, os níveis de violência contra as mulheres continuam "inaceitavelmente altos".

 

O estudo cita casos de violação, mutilação genital, tráfico (70 por cento das vítimas de tráfico são do sexo feminino) e casamentos forçados com sérias consequências para a saúde física e mental das vítimas. Os conflitos armados e outras crises humanitárias podem piorar ainda mais essa violência.

 

Segundo a OMS, entre 100 e 140 milhões de meninas e mulheres sofreram mutilação genital no mundo. Somente na África, mais de três milhões de meninas estão sob o risco dessa prática todos os anos.

 

O estudo mostra também que 70 milhões de meninas no mundo inteiro casaram antes de completar os 18 anos e muitas contra vontade.

 

Especialistas afirmaram que não estão sendo feitos esforços suficientes para evitar que a violência contra mulheres e crianças ocorra: apesar dos recursos de apoio terem aumentado, como por exemplo acesso à justiça e serviços de emergência, são necessárias cinco ações básicas para combater o problema.

 

O estudo explica que os governos devem lidar com a violência contra mulheres como uma prioridade. As autoridades devem combater as estruturas de discriminação em leis e políticas que perpetuam a desigualdade entre homens e mulheres e fomentam a violência.

 

Além disso, os governos devem investir em programas para promover a igualdade, o comportamento não violento e sem estigma de apoio às vítimas.

 

Outro ponto importante é o fortalecimento dos setores de saúde, segurança, educação e justiça, como também apoiar pesquisas e programas para compreender quais intervenções são eficazes.

 

Para as especialistas, o trabalho com os responsáveis pela violência, homens e meninos, e as vítimas, mulheres e meninas, será essencial para alcançar uma mudança duradoura na sociedade.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados