Página Inicial







Misericórdia: O horizonte da Missão
26 de Abril de 2016

No registo do evangelista Marcos, Jesus, antes de regressar ao Pai, deu um mandato claro aos 11 apóstolos: «Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda a criatura» (Marcos 16,15). E conclui: «Eles partiram a pregar por toda a parte e o Senhor cooperava com eles, confirmando a sua palavra com os milagres que a acompanhavam» (Marcos 16,19-20).

 

Da conclusão do Evangelho segundo Marcos, sublinho dois aspectos fundamentais: um, somos discípulos-missionários com a obrigação de anunciar a Boa-Nova em toda a parte e a toda a criação; dois, o Senhor ressuscitado coopera com os missionários e valida a sua palavra, porque a missão é de Deus e eles são colaboradores humildes da Trindade Santíssima.

 

Francisco escreve na bula O rosto da misericórdia (MV na sigla em latim) – que proclama o Jubileu Extraordinário da Misericórdia – que a misericórdia é essencial no serviço missionário da Igreja «para ir ao encontro de todas as pessoas levando-lhes a bondade e a ternura de Deus» (MV 5).

 

O Senhor revelou-se a Moisés no Sinai como «Deus misericordioso e clemente, vagaroso na ira, cheio de bondade e de fidelidade» (Êxodo 34,6).

 

O Papa argentino destaca que a misericórdia é também o conteúdo da proclamação missionária que é uma experiência cordial: «A Igreja tem a missão de anunciar a misericórdia de Deus, coração pulsante do Evangelho, que por meio dela deve chegar ao coração e à mente de cada pessoa» (MV 12).

 

Esta metáfora da missão como diálogo de corações que pulsam ao compasso da misericórdia divina é muito feliz e desafiante!

 

Esta ideia já a tinha enunciado na exortação apostólica A alegria do evangelho (EG na sigla em latim): a Igreja «vive um desejo inexaurível de oferecer misericórdia, fruto de ter experimentado a misericórdia infinita do Pai e a sua força difusiva» (EG 24).

 

E acrescenta: «A Igreja deve ser o lugar da misericórdia gratuita, onde todos possam sentir-se acolhidos, amados, perdoados e animados a viverem segundo a vida boa do Evangelho» (EG 114).

 

Francisco nota ainda que «onde houver cristãos –, qualquer pessoa deve poder encontrar um oásis de misericórdia» (MV 12).

 

Os milagres que testemunham e acompanham a Palavra anunciada são as obras de misericórdia. «A pregação de Jesus torna-se novamente visível nas respostas de fé que o testemunho dos cristãos é chamado a dar» (MV 16) porque «a misericórdia de Deus não é uma ideia mas uma realidade concreta» (MV 6), sublinha Francisco.

 

No dizer do Papa, as 14 obras de misericórdia – sete corporais e sete espirituais – representam «uma maneira de acordar a nossa consciência, muitas vezes adormecida perante o drama da pobreza, e de entrar cada vez mais no coração do Evangelho, onde os pobres são os privilegiados da misericórdia divina» (MV 15).

 

O papa que veio de longe proclama «o bálsamo da misericórdia como sinal do Reino de Deus já presente no meio de nós» (MV 5). Mas Deus também tem a sua obra de misericórdia: o grande dom da salvação que nos oferece por pura graça (EG 112).

 

A prática da misericórdia é o horizonte da missão e faz prova da vida cristã: «a pregação de Jesus apresenta-nos estas obras de misericórdia, para podermos perceber se vivemos ou não como seus discípulos» (MV 15), arremata Francisco.

 

A misericórdia e as suas obras são a prova dos nove dos discípulos-missionários de Jesus e a chave para a vida bendita (Mateus 25, 31-46).

 

José da Silva Vieira (MCCJ)- Jirenna



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados