Página Inicial







Migração: Este ano, 2.443 pessoas já morreram no Mediterrâneo
15 de Junho de 2016

Mais uma vez, as nossas vidas estão abaladas pelas notícias e imagens que nos chegam do Canal da Sicília: três catástrofes em três dias puseram termo à vida de cerca de mil pessoas, de entre as quais muitas mulheres e crianças que escapavam da realidade de guerras e perseguições.

 

São 2.443 as pessoas mortas ou desaparecidas no mar Mediterrâneo, desde o dia 1 de janeiro de 2016. A morte de tantos homens, mulheres e crianças não depende apenas de traficantes e passadores sanguinários, mas também e sobretudo é a consequência de uma política europeia hipócrita e imoral.

 

Infelizmente, a União Europeia (EU), em vez de enviar uma verdadeira missão de ajuda internacional, deixa que os países individualmente, como Grã-Bretanha, enviem navios de guerra para “bloquear” as partidas para a Europa. Uma missão imoral e, juridicamente, sem nenhuma base legal, mas recompensada pelo consenso eleitoral.

 

Anos de reclamações, mortes, violência e vidas comercializadas em todos os seus aspetos esclareceram como o governo Europeu da mobilidade não é de todo baseado na proteção dos direitos fundamentais das pessoas, mas sim em cálculos económicos e políticos muito específicos.

 

Fonte: Comboni.org



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados