Página Inicial







Amazónia: Líderes católicos e indígenas em defesa da floresta
4 de Julho de 2016

De 7 a 10 de junho, na cidade de Tabatinga, no Estado do Amazonas (Brasil), a Rede Eclesial Pan-amazónica (REPAM) organizou um encontro entre membros da Igreja Católica e lideranças indígenas da tríplice fronteira de Brasil, Colômbia e Peru para construir uma agenda comum em defesa da Amazônia e de seus povos.

 

Participaram do encontro 91 pessoas entre bispos, representantes dos povos indígenas, congregações missionárias atuantes na região, organismos eclesiais como a Cáritas e a REPAM, fundada em 2014, por iniciativa do CELAM (Conselho Episcopal da América Latina).

 

Como resultado do intercâmbio de informações e de propostas, não só se fixaram alguns pontos-chave para a possível agenda comum, mas o encontro também proporcionou muitos elementos para se ter uma igreja compromissada na realidade Pan-amazónica, ou como disse o Papa Francisco: “uma igreja com rosto e espírito amazónico”.

 

Na Carta Compromisso elaborada ao final do Encontro de Povos Indígenas com a REPAM, os membros da Igreja Católica presentes se comprometem a: “Ser uma Igreja que tem uma presença próxima, que conhece a realidade, que compreende os povos indígenas, que caminha junto com as comunidades, que contribui com a preservação e a valorização da cultura, que apoia a formação social e política, seja espaço de interação e participação, companheira, aliada e solidária, cultural e espiritualmente enraizada e não fincada e de costas para o povo, transgressora da ordem opressora, com coragem e compromisso, uma Igreja do com rosto Amazónico”.

 

Com relação aos desafios da complexa realidade Pan-amazónica, o Encontro constatou a necessidade de assumir a “defesa do território frente às leis que ameaçam os direitos dos povos, os megaprojetos de infraestrutura e exploração econômica com as hidroelétricas, hidrovias, estradas, mineração, extração de gás, petróleo e madeira, desmatamento para empreendimentos de monocultivos agrícolas e criação de gado, assim como também frente aos impactos sociais provocados por atividades ilícitas como o tráfico humano e o narcotráfico”.

 

Por trás da crescente mobilização eclesial pela Amazônia, está o grande impacto que teve a encíclica «Laudato si» do Papa Francisco; além disso houve muitíssimas iniciativas em todo o mundo para celebrar o primeiro ano da sua publicação.



© copyright Missionários Combonianos - Revista Além-Mar | Todos os direitos reservados